Saturday, March 03, 2012

momentos de solidão voraz
presos no passado distante
Consome a alma perdida

momentos que ficam presos
num tempo que não existe
excepto na tua pele
mapa do que foste

e esse olhar cheio
de vazio alheio
que sentes como teu

Digo,
sofrimento debalde

Vive

1 comment:

O Profeta said...

São de açúcar os sonhos de uma criança
São de algodão as nuvens que vi esta manhã
São de sal os diamantes do colar que te dei
São verdadeiros os sentimentos que pareceram palavra vã

Uma boneca de olhos que abrem de espanto
Um cavalo de madeira perdido do carrossel
Um cálice cheio de berlindes de vidro
Uma mascara de palhaço pintada a pincel

Um pião que ganha vida
Uma corda para saltar bem comprida
A trotineta jaz num canto partida
Um coração recorda uma dor esquecida
Doce beijo